segunda-feira, 22 de agosto de 2011

PARVOVIROSE - SAIBA MAIS PARA FICAR ALERTA.

Hoje apresento um artigo compartilhado na net pela Dra. Miller,  referente a Parvovirose, doença altamente infecciosa e da qual hoje em dia, graças as vacinas existentes no mercado, se tornou mais rara mas que antigamente era capaz de dizimar muitos cães, eu, quando criança, perdi alguns. Felizmente, hoje já é possível tratamento com sucesso. Mas a melhor prevenção ainda é a vacina. Nos abrigos de cães, a doença ainda é comum.


Parvovirus Canino

FOTO DA NET
Dr. Lila Miller, DVM, Sr. Diretor, Animal Sciences e assessor Vet, ASPCA

Parvovirus canino é uma doença viral altamente contagiosa sendo esta uma das causas mais comuns de diarréia em cães com menos de 6 meses de idade. Ele apareceu pela primeira vez no final de 1970 e, é agora, um dos problemas mais comuns de doença grave nos cães encontrados em abrigos, mais ainda que a cinomose. É relatada em coiotes, raposas e lobos e provavelmente afeta a maioria, senão todos, os membros da família canina. Filhotes são as mais suscetíveis, especialmente se eles têm lombrigas ou outros parasitas intestinais, protozoários (como coccídeos) ou bactérias. Apesar da terapia agressiva, a parvo pode ter uma alta taxa de mortalidade. Por outro lado, muitos cães adultos que são infectados realmente mostram sinais clínicos da doença. Rottweilers, Dobermans, Pit Bulls, pastores alemães e labradores parecem estar em maior risco para a doença.


Tratamento
Gerenciamento de Epidemias de Doenças Prevenção

Causa

O Parvovírus é muito estável no ambiente, tornando-o muito resistente à maioria dos desinfetantes então ele pode persistir em material orgânico no ambiente por mais de um ano.

Outro membro dessa família de vírus é responsável por causar panleucopenia, também conhecido como cinomose, em gatos. (este parvovírus felino foi o primeiro identificado antes da cepa que afeta cães apareceram. Na verdade, os esforços da primeira vacinação para controlar parvo foram feitoss usando vacinas de cinomose felina).  Cepas diferentes de parvovírus têm aparecido ao longo dos anos e, essas  mais novas, são capazes de infectar gatos e de se difundir de forma ainda mais eficaz em cães susceptíveis.
Felizmente para abrigos, água sanitária em uso regular (hipoclorito de sódio) é um dos meios mais baratos de neutralizar o vírus. Ela deve ser diluída 1 parte de lixívia para 32 partes de água para torná-la segura no uso em animais e ainda assim ser eficiente. Se não for utilizada água sanitária, o desinfetante a ser utilizado deve ser testado e rotulado como parvocidal. (Infelizmente, muitos produtos que são rotulados como parvocidal não são muito eficazes.) A água sanitária deve permanecer em contato com a superfície a ser desinfectada durante, pelo menos 5-10 minutos
Transmissão
A Parvo é transmitida de cão para cão, principalmente através da exposição das fezes contaminadas. Também é transmitida através do contato com objetos contaminados. Esses objetos comuns incluem as mãos, instrumentos, alimentos, roupas e brinquedos pratos de água e roupa de cama. Insetos e roedores também podem fornecer um meio de propagação da doença. O vírus pode ser transportado também no pêlo do cão.
O período de incubação, ou o período entre o contato com o vírus e o aparecimento dos sintomas pode variar de 4-14 dias. Um problema sério para os abrigos é que os animais aparentemente saudáveis, com parvo podem ser adotados, incubando a doença e, eles ficam doentes, alguns dias depois em sua nova casa, causando muita dor de cabeça para a equipe do abrigo e os novos proprietários.
O vírus da parvo pode ser eliminado nas fezes 4-5 dias após exposição, que é geralmente antes dos sinais da doença aparecem. O vírus também serão eliminados nas fezes por 2-3 semanas depois que o animal se recuperou da doença. Filhotes que chegam aos abrigos, devem ser colocados em quarentena por alguns dias para observar o aparecimento dos sinais, e os animais recuperados devem ser isolados por 3 semanas antes de voltar à população em geral.
Sintomas
O Parvovírus afeta o sistema digestivo e ocoração. Os sinais podem variar muito. Pode haver infecção subclínica, sem sinais ou sinais leves de letargia e perda de apetite, que duram apenas 1 ou 2 dias. Os sintomas clínicos mais comuns mostram vários graus de vômito, diarréia, com mau cheiro e presença de sangue nas fezes; perda de apetite, febre, fraqueza, depressão e desidratação são outros sintomas. Os sintomas do coração podem resultar em morte súbita, sem outros sinais, semanas depois da aparente recuperação e o surgimento de sintomas de insuficiência cardíaca congestiva em filhotes com menos de 6 meses de idade.
Diagnóstico
A doença é comumente diagnosticado através de uma avaliação dos sinais clínicos acompanhada por testes laboratoriais clínicos. Deve ser lembrado, no entanto, que nem todos os casos de diarréia sanguinolenta e vómitos são causados por parvovírus.
Existem kits (fecais) de teste Elisa disponíveis que podem ser utilizados no abrigo para testar parvo, entretanto, o teste parvo pode apresentar problemas se não são compreendidos. Resultados falso-negativos podem ser obtidos quando é realizado ante os primeiros sintomas. Resultados dos testes são mais precisos, se realizados após cinco dias depois dos primeiros sinais clínicos aparecem. Resultados falso-positivos são muitas vezes resultado de vacinação recente com uma vacina viva modificada (dentro de 5-12 dias após a vacinação).
Tratamento
Parvovírus pode ter uma taxa de mortalidade bastante elevada nos filhotes de cachorro, apesar da terapêutica precoce ou agressiva. Não há cura específica, por isso o tratamento consiste na prestação de cuidados de suporte de modo que o corpo possa produzir anticorpos suficientes para neutralizar o vírus. Tratamento de suporte consiste em antibióticos para combater infecções bacterianas secundárias, fluidos para corrigir a desidratação e controle do vômito e diarréia. Os alimentos devem ser retidos e não devem ser oferecidos até que o vômito pare, por pelo menos 24 horas; e a água deve ser oferecida em pequenas quantidades apenas, já que às vezes pode provocar o vômito. Filhotes que sobrevivem por 3-4 dias em geral têm uma boa chance de se recuperarem completamente dentro de uma semana.


Decisões para o tratamento de parvo no abrigo deve ser pensado com cuidado. Consideração deve ser dada ao fato de que

• leva vários dias de terapia intensiva para tratar

• A recuperação suficiente para alcançar adoção pode demorar semanas

• a capacidade do vírus persistir no ambiente por anos põe em perigo as vidas de outros cães, assim como os que virão;

• filhotes mesmo recuperados ainda devem ser isolados, porque ainda podem continuar a eliminar o vírus

• Se uma área de isolamento estrito não está disponível para o tratamento, os cães gravemente doentes podem ter de ser sacrificados para reduzir seu sofrimento e minimizar propagação da doença.

Prevenção e de Gerenciamento de Epidemias de Doenças
Quarentena de animais recebidos por 1-2 semanas, se possível, Isolar os animais doentes imediatamente.

Limpar e desinfetar adequadamente as “casinhas” (incluindo bares, paredes, tops, etc) e tigelas de água diariamente e entre os ocupantes com lixívia ou um desinfetante seguro parvocidal. Certifique-se de que as instruções para desinfetantes de mistura, o tempo de contato apropriado e enxágüe são seguidas.

Instruir funcionários, voluntários e visitantes sobre os perigos de propagação da doença através de objetos contaminantes, especialmente nas mãos e roupas

Filhotes devem receber vacina às 8 semanas de idade se estiver usando uma baixa título modificado vacina viva parvo, com reforços a cada 3 semanas -4, até 16-18 semanas de idade. Nas raças mais suscetíveis a doença, pode ser aconselhável vacinar até 20-22 semanas de idade. A alta título vacinas vivas modificadas de parvo pode ser dada aos 6, 9 e 12 semanas de idade.

Vermífugos rotineiramente

A melhor dieta alimentar acessível, de preferência alimentos filhote de cachorro para os filhotes

Segregar filhotes por ninhada e grupos de idade

Use brinquedos e pratos descartáveis

Instale desinfetantes para as mãos e escalda-pés

Restringir o uso de materiais de limpeza para quartos individuais ou enfermarias

Evitar o uso de mops para limpar

Evitar o uso de calhas de drenagem e sistemas comuns de alta pressão hosing em surtos parvo, pois isso tende a espalhar partículas doença

Reduzir o estresse!

Evitar superlotação

Estabelecer rotinas para a limpeza, alimentação, reprodução

Fornecer uma cama limpa e trocada todos os dias.
A informação lhe foi útil? Você já teve casos de parvo em suas casa? Diga pra gente, aposto que muitas pessoas irão trocar idéias sobre o assunto.


Um comentário:

  1. Meu cãozinho está com Parvovirose, adotamos de um abrigo de animais e na mesma noite apresentou os sintomas. Levamos ele imediatamente à clínica veterinária e está internado, hoje faz 4 dias. A diarréia e o vômito ainda não cessaram, mas está livre da desidratação e apresenta quadros de melhora (onde fica mais animadinho) e logo em seguida piora (e fica mais tristinho). Agora temos que esperar que ele reaja, é difícil vê-lo nessa situação, mas acreditamos que ele vai se recuperar. Ele tem 3 meses de idade.

    ResponderExcluir

LICENÇA DE USO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.