quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

A surpreendente conexão entre as coleiras do animal de estimação e as convulsões

A Dra. Becker discute a condição assustadora de crises de convulsão em animais  de estimação - o que procurar, o que pode causar a desordem e, o que fazer se o seu próprio animal de estimação de repente tiver um ataque.

“... A convulsão é uma incidência de imprevistos, na atividade elétrica anormal no cérebro de seu animal de estimação.
Os sintomas, podem variar de uma imperceptível contração muscular, para uma crise epiléptica durante o qual o animal perde a consciência.
As crises podem durar de poucos segundos - tão curto, na verdade, você não está mesmo certa de ser um ataque, tremor, espasmo ou uma cãibra simples – a minutos.
Existem dois tipos de impulsos elétricos no interior do cérebro - excitatórios e inibitórios. Existe uma proporção adequada de excitatória e outra inibitória quando os impulsos excitatórios ultrapassam os impulsos inibitórios, um ataque pode ser o resultado.
Se o seu animal de estimação tem uma pequena contração ou uma convulsão depende de que parte do cérebro está envolvido e quantos impulsos excitatórios são gerados.
O ponto no qual os impulsos excitatórios ultrapassam impulsos inibitórios é o limiar convulsivo. Em um animal de estimação saudável este limite apreensão é elevado, ou seja, o potencial para uma crise é baixa

Existem algumas coisas que influenciam o limiar de seu animal de estimação da convulsão incluindo:

* Genética

* Trauma Head

* Infecção

* A exposição a toxinas

Três fases de uma convulsão

Pré-ictal, ictus, e pós-ictal.
A fase pré-ictal vem um pouco antes da convulsão. Pode durar de segundos a alguns minutos.
Os seres humanos muitas vezes podem prever seus ataques, e nós suspeitamos que alguns animais de estimação também podem. Durante a fase pré-ictal, o animal pode se comportar estranhamente. Ele pode ficar agitado ou nervoso, pode vir até para avisar que há uma atividade elétrica anormal acelerando em seu corpo.

A apreensão em si é chamada de fase ictus.

Após a apreensãoconvulsão chegamos a fase pós-ictal, que pode durar de alguns minutos a várias horas. No período pós-ictal, você poderá ver uma grande variedade de respostas em seu animal de estimação. Ele pode parecer confuso ou medroso, tropeçar sobre ele mesmo, bater em coisas. Você também pode notar a tensão, nervosismo, ou que seu animal de estimação quer ser deixado sozinho ou imediatamente ir para fora.

Eu suspeito que os animais ficam muito confusos após a convulsão, porque eles não sabem o que aconteceu com o seu corpos
Tipos de crises
Existem alguns tipos diferentes de apreensões de seu animal de estimação pode experimentar.
A convulsão pequena é mais suave e pode ser tão insignificante como um movimento do olho. A convulsão grande é o outro extremo. Durante este evento sério, um animal perde a consciência e normalmente cai.
Não se pode mexer com as pernas e vocalização durante uma convulsão maior, junto com movimentos bruscos e espasmos. Alguns animais de estimação perdem o controle do intestino e da bexiga.

A epilepsia é uma doença que não se cura. É uma emergência médica em que a respiração cessa e o animal pode morrer. Se seu animal está passando por uma crise epiléptica e não saindo dela, é fundamental que levá-lo a um hospital de emergência veterinária imediatamente, a fim de salvar sua vida.
Os gatos geralmente têm uma coisa chamada crise convulsiva focal, onde apenas uma parte do corpo se convulsiona. Pode parecer um tremor de contração, ou uma cãibra. Este tipo de ataque é mais comum em gatinhos e cães de pequeno porte.

Convulsões são eventos que podem ocorrem várias vezes ao dia. Muitas delas são situações urgentes e requerem cuidados. Se o seu animal teve mais de uma convulsão em um dia, eu recomendo uma consulta e acompanhamento com o seu veterinário. Este tipo de crise pode levar a continuação da convulsão e ir aumentando cada vez mais.
Apreensão Causas
Há uma série de causas diferentes de ataques.

* Trauma cerebral que resulta em inchaço cerebral pode causar convulsões.

* Os tumores cerebrais são uma fonte muito comum de convulsões em animais mais velhos. É muito improvável que o seu cão de 12 anos de idade ou gato irá desenvolver epilepsia. Se você tem um animal que depois de uma certa idade começa a apresentar convulsões, infelizmente, a causa provável é um tumor cerebral.

* Bacterianas, infecções virais, fúngicas e parasitárias também podem causar convulsões.

*Algumas doenças auto-imunes podem causar convulsões.

* Subluxação cervical também pode causar convulsões, e isso é algo que muitos donos de animais não percebem. Eu vejo esse tipo de apreensão muito em cães que estão for acorrentados. Eles correm o comprimento de sua guia e quando chega ao fim do tamanho permitido, acontece um choque contra o pescoço que provoca uma lesão cervical alta traumática de qualquer das vértebras C1 (o atlas) ou C2, o eixo.
A C1 é a primeira vértebra cervical em animais, e se articula com o tronco cerebral. Quando há aumento da pressão do líquido cefalorraquidiano no tronco cerebral, pode acontecer a convulsão.

Eu recomendo você caminhar com seu animal, não só para passeios, principalmente se ele for mantido preso. É importante que o animal não seja capaz de aumentar a pressão sobre o pescoço, porque altas subluxações cervicais e outras questões da quiropraxia no pescoço, podem causar um aumento da probabilidade de crises convulsivas
* Malformações congênitas (defeitos de nascença) do tronco cerebral ou da medula espinhal também é uma causa comum das convulsões. O Cavalier King Charles Spaniel é uma raça bem conhecida por ter um defeito congênito no osso occipital levando à herniação cerebelar, uma condição conhecida como Siringomielia.
* A doença hepática pode indiretamente causar convulsões. O fígado foi concebido para processar as toxinas, e se não pode fazer o seu trabalho de forma eficaz, os venenos podem se acumular na corrente sanguínea do seu animal e atravessar a barreira hemato-encefálica. Seu animal pode desenvolver uma condição chamada de encefalopatia hepática que pode levar a convulsão à base de toxina.
* Baixo teor de açúcar no sangue também pode ser uma causa. Os animais diabéticos que tomam insulina podem desenvolver convulsões arterial à base de açúcar, ou animais com insulinomas (um tumor do pâncreas)

* Outras condições metabólicas como o hipotireoidismo também podem causar convulsões. Curiosamente, em um estudo de 70% dos cães que estavam clinicamente com hipotireoidismo tinha um histórico de convulsões. Eu recomendo fortemente que todos os cães que têm convulsões sejam examinados para afastar o diagnóstico de hipotireoidismo.

* Intoxicação pode levar a convulsões. A intoxicação por chumbo, por mercúrio e intoxicação por planta (a planta da maconha, sagiieiro e mamona, por exemplo) podem provocar convulsões em seu animal de estimação.

Fertilizantes, pesticidas, inseticidas e herbicidas são todos bem conhecidos por causar convulsões.
*Medicamentos de uso humano, como AINEs (não-esteróides anti-inflamatórios), anti-histamínicos, antidepressivos e medicamentos diabéticos podem causar convulsões em animais de estimação.
*Medicamentos veterinários também são conhecidos por criar um potencial ataque. Na verdade, neurotóxicos químicos tópicos como prevenção contra pulgas e carrapatos estão incluídos na lista de medicamentos que causar convulsões.

* A insolação é também uma causa muito frequente de convulsões em animais de estimação.
*Vacinas e convulsões - Certamente, não menos importante entre as causas das das convulsões são as vacinas.Vacinas veterinárias ainda contêm timerosal ou compostos organo-mercúrio como adjuvantes para aumentar a resposta do corpo à imunização. É inegável que os metais pesados atravessam a barreira hemato-encefálica, Outra maneira de vacinas causarem crises é sua implicação na condição conhecida como encefalite auto-imune. As vacinas podem desencadear uma reação auto-imune que provoca inchaço derivado do cérebro, que por sua vez pode levar a um transtorno convulsivo em seu animal de estimação.

Dietas e convulsões
Problemas de saúde relacionados com nutrição, também pode ser a causa das convulsões. Isso é algo que muitas pessoas não consideram.

A dieta tem uma implicação com duplo potencial quando se trata de convulsões.
O número um é se o seu animal de estimação tem alergias alimentares. Isso pode causar uma resposta inflamatória sistêmica que pode diminuir seu limiar de convulsão.
Número dois, o alimento para animais de estimação utilizado pode conter produtos químicos sintéticos, conservantes, emulsificantes e outros ingredientes que podem causar a inflamação sistêmica e diminuição limiar convulsiva.

Se o seu animal de estimação tem sido alimentado com a mesma dieta por um tempo ou come alimentos altamente processados, essa poderia ser uma causa potencial para ataques.
Uma das coisas que a medicina humana recomenda para algumas pessoas com desordens de convulsivas é uma dieta ketagenic - que não contém carboidratos, quantidades moderadas de gordura e alto de proteína. Curiosamente, este tipo de dieta é realmente da espécie adequada para cães e gatos.

Portanto, se as dietas ketagenic estão sendo usadas para ajudar a controlar convulsões em seres humanos, ele certamente faz sentido para mim que possam fazer o mesmo em cães e gatos.
Na minha prática, eu recomendo vivamente os clientes a eliminar carboidratos das dietas seus animais de estimação e alimentá-los com refeições com teor de proteína e um teor moderado de gorduras. Esta forma de alimentação não é apenas para determinadas espécies, a eliminação de carboidratos ajuda a controlar a inflamação sistêmica que pode levar a convulsões.
Existem também algumas ervas que podem contribuir para as convulsões. Não é a própria erva que faz com que aconteça o ataque epilético, mas se o animal já sofre de um distúrbio ou tem predisposição, existem algumas ervas e óleos essenciais que podem desencadear crises convulsivas.
As ervas kava-kava, calota craniana, óleo de prímula, óleo de semente de borragem, goldenseal, ginkgo, ginseng, e absinto têm sido aontadas. Os óleos essenciais, tais como eucalipto, funcho, hissopo, poejo, sálvia, alecrim e tansy também têm sido apontados como disparadores de convulsões

O que fazer se seu animal tem uma convulsão
Se o seu animal de estimação tem uma crise, é importante falar com seu veterinário sobre isso. (Obviamente, se a convulsão é um grande e o seu animal não está voltando, é urgente procurar atendimento veterinária imediatamente.)

Se o seu veterinário não encontra as causas potenciais da convulsão do seu animal, o diagnóstico será de epilepsia idiopática, o que significa convulsão de origem desconhecida.
Na maioria dos casos deste diagnóstico, os veterinários vão querer medicar seu animal com um medicamento anti-convulsivo. No entanto, na minha prática, a regra de ouro é esta: somente se o animal vier a ter outro ataque no mesmo mês é que se deve considerar terapia medicamentosa.

Há toda uma série de substâncias naturais que podem ajudar e diminuir o potencial para essas convulsões. Na minha prática, usamos a acupuntura, ervas, quiropraxia e terapias para evitar medicamentos na convulsão

Muitas vezes usamos essas modalidades como o único tratamento para casos leves. Para os animais com frequentes ataques epilépticos, criamos um protocolo de integração de terapias naturais e terapia medicamentosa."
Se você tem um animal que teve uma convulsão, é importante seguir as datas, horários e intensidade dos acontecimentos. Vejo com freqüência as correlações entre as crises e num determinado momento do mês, ano ou mesmo a fase da lua. Estranho, mas verdadeiro!

Se você é capaz de identificar um ciclo de crises em seu animal de estimação, seu veterinário pode ajudá-lo a elaborar um plano para controlar estes eventos, que deverá de início o uso mais seguro de opções de tratamento naturais disponíveis.


2 comentários:

  1. Dr. tem como eu entrar em contato com o senhor?

    ResponderExcluir
  2. Adotei uma cachorrinha com sequelas de Cinomose, e estou aprendendo a lidar com as situações... Ela esta sendo medicada com Gardenal, mas mesmo assim ela teve convulsão... Antes da convulsão ocorrer ela andou pela casa por horas durante a madrugada, nada que eu tentasse fazer para acalma-la era suficiente, cheguei a pensar que ela estivesse com dores e dei algumas gotas de dipirona, mas nada pode acalma-la.. Quando ela conseguiu deitar para descansar, passado algum tempo veio a convulsão... Ela estava ótima e não sei dizer oque causou essa crise...
    Gostaria de saber se existe outro tipo de tratamento indicado que vá interromper definitivamente uma crise como esta... Obrigada pela ajuda.

    ResponderExcluir

LICENÇA DE USO

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.